Livro de Klaus - Capitulo II

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Ter 27 Jan 2015, 01:24

Abro e fecho os olhos lentamente, as lembranças daquela noite ainda estão em minha cabeça, a vontade de ter outra aventura como aquela é grande, mas dessa vez eu planejo algo menos perigoso, não quero ter que ficar fugindo nem me escondendo de novo.
“ Que sono, vontade de ficar o dia todo dormindo aqui, mas sei que não vou poder, agora já é mais que na hora de eu ir fortalecer meu Rhyhorn, ontem eu deveria ter treinado ele, mas não pude, tive que resolver esse problema da moradia, resolver não, por que não foi isso que aconteceu, eu fui convidado a me retirar, resumindo, me expulsaram... Mas olha pelo lado bom, eu sou um Armagedon, não poderia ficar mesmo em um lugar fixo.”
Coloco a mão por dentro da camisa, passo ela por minha barriga, estou com muita vontade de comer alguma coisa, antes de tirar a minha mão, passo ela por minha marca de nascença.
- Desde o meu nascimento, estava escrito que eu seria um Armagedon.
Saio de dentro de meu saco de dormir, o meu rosto já mostra um grande sorriso, me espreguiço para tirar o sono, vou na direção do banheiro, entro por ele e vou até a pia, pego minha escova e o creme dental, escovo os dentes e logo depois tomo um banho.
“ Saio hoje dessa casa, mas antes vou aproveitar um pouco dela, não sei quando vou poder tomar um banho como esse de novo, e não posso me dá ao luxo de ir para um hotel, esses dias vou ter que dormir na rua, até eu conseguir alguma coisa que me estabilize.”
Saio do banheiro e me enxugo, me visto, arrumo minha mochila, coloco todos os meus bens nela, e saio da minha antiga casinha, não posso dizer que sentirei saudades, nunca gostei muito dela, mas ali era o lugar onde era eu e eu, o lugar onde eu decidi mudar de vida, fazer algo por esse mundo, com passos apressados eu vou ir embora dali, rumando a um bom local para eu treinar meu Rhyhorn.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Alice em Sab 31 Jan 2015, 11:25

off: desculpe a demora. Segundo o levantamento, você deveria ter sido narrado pela Athena, contudo ela está com dificuldades para logar no fórum. Estarei assumindo temporariamente.
off2: pode me mandar a personalidade do Rhyhorn quando a tiver feito que adiciono na ficha ;)


O dia anterior fora algo que Klaus ainda não poderia descrever. A emoção, o perigo e seu tão sonhado ingresso aos Armagedons. Por mais que ele tivesse se sentido incrivelmente vivo, não esperava por outra aventura como aquela tão cedo. Seu objetivo era primeiro fortalecer seu Rhyhorn.

Enquanto a esfera repousava sobre uma cômoda, o novo Arruaceiro desfrutava de seu último dia naquela casa que tanto conforto lhe trazia e que ele sabia não poder mais habitar. O banho demorado parecia uma benção naquele momento. A água gelada escorrendo pelo corpo e terminando de expulsar o sono. Após estar completamente desperto, vestido com roupas limpas, um café preto era a despedida final da residência. Com a mochila nas costas e a esfera de Rhiper na mão, o Armagedon seguia pelas ruas de Pugil sem olhar para trás. Os olhos verdes fixos na pequena pokébola que continha seu primeiro pokémon.

Apesar do verão, o céu estava negro, indicando que uma chuva chegaria a qualquer momento. Pelas ruas de Pugil, lanchas deslizavam, levantando a água. As pessoas circulavam sem se preocupar ou mirar o homem que seguia de cabeça mais baixa. Cadetes o ignoravam, como se ele não tivesse importância. Ao longe, o restaurante Kiga era visto e Geavanne trabalhava sem parar. De um beco próximo, um Rattata fugia de um Purrloin, claramente esperando não se tornar a próxima refeição do felino.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Sab 31 Jan 2015, 22:50

Os meus passos são lentos e cautelosos, abaixo minha cabeça e coloco a mão no bolso, isso faz com que eu passe despercebido por alguns cadetes, eles não estão se importando comigo, e isso é ótimo para mim nesse momento, pois a última coisa que eu quero é chamar a atenção, levanto um pouco a cabeça para ver o ambiente a minha volta, pessoas sorrindo e se divertindo, cadetes a observa as pessoas, lanchas passando e levantando a agua próximo de mim, depois de ver que não tem nada de incomum acontecendo, vou na direção do restaurante Kiga, quando chego próximo ao local, já vejo Geavanne cheio de tarefas para fazer, respiro fundo e olho para o céu, em toda minha caminhada fiquei de cabeça baixa e no momento que levantei ela eu não percebi, as nuvens estão negras e o tempo estar ficando diferente, uma chuva vai vim em breve, e isso não me ajuda com o treinamento do Rhyhorn, um Pokémon do tipo dele não gosta de agua, fico chateado com a situação que me encontro, estou querendo treinar meu Pokémon e uma chuva vem logo hoje para me atrapalhar.
“Serio mesmo? Isso é brincadeira, saio já entusiasmado para usar meu Rhiper e uma chuva é anunciada, se eu tivesse escolhido um Lotad, com toda certeza que o dia estaria quente e sem chances de chuva.”
Enquanto reclamo para mim mesmo da chuva, um barulho me chama a atenção, procuro a origem do som e seu criador, é quando eu vejo em um beco um Pokémon, Rattata, o Pokémon roedor, ele estar fugindo de ser o próximo prato de um Purrloin faminto, aquela cena não me impressiona nada, mas é tudo que eu procuro no momento, então com passos apressados eu vou até o beco, já segurando a Pokéball de meu Rhyhorn.
“Uma rápida batalha contra esse Rattata, vai ser bem legal, e talvez se esse Purrloin depois quiser, eu também batalho contra ele.”
Quando já estou perto do roedor, mostro a ele um sorriso no cantinho da boca, então lanço meu Pokémon ponta de ferro, com o tamanho avantajado de Rhyhorn, com certeza o Rattata só teria uma rota de fuga, e isso me dá muita vantagem sobre o oponente, Rhyhorn tem problema em se virar, mas um beco é sempre em linha reta, sim, com alguns objetos no caminho, mas nada que o gigante de pedra não consiga destruir.
“Primeiro vou fazer assim, mandarei Rhiper diminuir muito a defesa dele, depois partirei para o ataque, com a defesa muito baixa, o primeiro golpe o nocauteará.”
Depois de criar uma pequena estratégia para vencer Rattata, passo a mão nas costas de Rhyhorn, isso parece deixa-lo alegre e feliz, então digo a ele com voz alta.
- Rhiper, conto com você para vencermos essa batalha, agora me ouça bem, use Leer duas vezes para diminuir a defesa dele, se ele tentar correr ou fugir, corra atrás dele para não deixa-lo ir.
Agora é só espera para ver o resultado, o meu Pokémon não tem como se defender dos ataques do roedor, ele é grande demais para desviar, então a única coisa que vai defender ele é sua resistente pele, se tudo ocorrer como planejei, isso acabará em mais um ou dois turnos de batalha.


Off: Aqui vai, se tiver algo de errado é só falar, eu também tenho uma pergunta, esse pontos disponíveis para distribuição sevem para que? Outra coisa, se tive alguma dica para meu melhoramento, por favor, diga para que eu possa coloca em pratica.
Rhiper:

Personalidade: Rhiper é alegre e cheio de energia, esperto se comparado a outros da mesma espécie, consegui entender comados básicos com mais eficácia, ele é bondoso e ajuda os seus amigos em tudo, leal a seu treinador, só obedece a ele e ninguém mais, é sentimental, gosta que façam carinho nele a todo momento, e fica com raiva quando recusam fazer, gosta muito de participa de batalhas Pokémons e destruir paredes, lixeiras e pedras, mas odeia quando o impedem de destruir as coisas.
Demais Características: Tem maior capacidade em lembrar de acontecimentos recentes.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Alice em Dom 01 Fev 2015, 12:11

A ciência da chuva se aproximando e de como seu pokémon não gostaria de lutar no clima, frustram Klaus. Contudo, encontrar um Purrloin e um Rattata no beco lhe dão alguma experança de que poderá treinar seu pokémon antes da intempérie. O grande pokémon de pedra é solto, ocupando quase toda a entrada do beco. O lugar é apertado e ele certamente não conseguirá se virar. No entanto isso não é algo com a qual Klaus esteja preocupado. Rapidamente ele dá seu primeiro comando e o Leer de Rhiper ganha a atenção de Rattata. Porém, com a distração do rato e a defesa reduzida, Purrloin aproveita e salta, mordendo a nuca do rato e o abatendo. O felino logo salta novamente, levando o corpo do roedor para longe, possivelmente buscando algum lugar para se alimentar e frustrando ainda mais os planos do novo Armagedon. Rhiper pisca algumas vezes e depois olha para o homem atrás de si por cima do ombro, como se perguntasse o que fazer agora.

- O que está fazendo aqui? - Um cadete questiona atrás de Klaus.

O Arruaceiro olha para o oficial e repara que o oficial mira Rhiper com interesse. A presença do Persian e as quatro estrelas no braço indicavam a alta patente do cadete e uma luta com ele seria o fim do Armagedon. Então, querendo não chamar a atenção, ele recolhe o grande pokémon pedra, pede desculpas e se afasta com a cabeça baixa. O cadete estranhamente o deixa se afastar sem mais perguntas, porém ainda o analisando com desconfiança.

Durante os novos passos para longe, Klaus não pode deixar de notar a semelhança do oficial com seu irmão Takashi. Fazia muito tempo que ele não conversava com o irmão e perguntas começavam a surgir em sua mente. Será que seu irmão já estava no mesmo Rank que aquele cadete? Ou já seria um Capitão? E, principalmente, o que faria se um dia o encontrasse durante alguma missão? Ou seus pais, ou sua irmã? Era certo que o caminho que escolhera o colocaria de frente contra sua família em algum momento, principalmente de seu irmão que, dentre todos, era a pessoa com quem tinha o maior vínculo.


off:
Opa o/
Vamos por partes ;)
Pontos disponíveis para distribuição: eles representam o número de treinamentos a que você pode submeter seu pokémon. Cada vilarejo tem um centro de treinamento especializado em um ou dois stats. Pagando o preço do treinamento e aguardando o tempo necessário, você pode deixar seu Rhiper mais rápido, ou mais defensivo, ou mais forte, dependendo do Stat que vai treinar (HP, Defesa, Ataque, Especial Ataque, Especial Defesa, Speed). A cada treinamento aumenta 1 ponto no stat e reduz um ponto nos pontos disponíveis para distribuição. Mas isso tudo tá melhor explicado em Sistemas -> Treinamento de Stat. Dá uma lidinha lá para ver. É algo bem interessante para o time no futuro.

E sobre a narração, tenho duas dicas.
Dica 1: Deixa uma linha em branco entre cada parágrafo. Isso deixa o post mais convidativo a leitura e tira a aparência de ser um bloco só.

Dica 2: cuidado com frases longas demais. Elas podem se tornar confusas e cansativas. Dificilmente uma frase terá mais de três linhas e, quando for o caso, tem que se ter muito cuidado para ela não perder o foco dela. Por exemplo, olha sua primeira fase. Lê ela em voz alta, fazendo pausas curtas nas vírgulas e pausas mais longas no ponto final. Depois, lê ela no próximo spoiler. Não mudei nenhuma palavra, só troquei algumas pontuações.

Frase refeita:
Os meus passos são lentos e cautelosos. Abaixo minha cabeça e coloco a mão no bolso, isso faz com que eu passe despercebido por alguns cadetes. Eles não estão se importando comigo e isso é ótimo para mim nesse momento, pois a última coisa que eu quero é chamar a atenção. Levanto um pouco a cabeça para ver o ambiente a minha volta, pessoas sorrindo e se divertindo, cadetes a observa as pessoas, lanchas passando e levantando a agua próximo de mim... Depois de ver que não tem nada de incomum acontecendo, vou na direção do restaurante Kiga. Quando chego próximo ao local, já vejo Geavanne cheio de tarefas para fazer. Respiro fundo e olho para o céu. Em toda minha caminhada fiquei de cabeça baixa e no momento que levantei ela eu não percebi, as nuvens estão negras e o tempo estar ficando diferente. Uma chuva vai vim em breve e isso não me ajuda com o treinamento do Rhyhorn, um Pokémon do tipo dele não gosta de agua. Fico chateado com a situação que me encontro. Estou querendo treinar meu Pokémon e uma chuva vem logo hoje para me atrapalhar?!

Acredite, essa técnica de ler em voz alta ajuda e tudo que falo é para o crescimento do player ^^ Teve uma vez um player que também fazia frases longas assim, sem pontos finais... Trabalhamos juntos isso por um bom tempinho. Depois ele virou narrador no Shinki e olha, até hoje, acho que ele é um dos que tem a melhor narração do fórum.

E não fique chateado pela fuga do rattata e do purrloin. Shinki tem uma filosofia de história. Mais importante do que somente uma luta com um selvagem, é desenvolver a história primeiro do personagem e depois sua relação com seus pokémons. Até por que, como Gangstar, a exp que vem da luta contra selvagens é muito pequena... O bom vem das missões )o) Então, curte seu personagem e vamos desenvolver ele )o) principalmente comigo na narração XD são páginas de história, dai algo para dar um avanço no pokémon, mas que fica longe de ser o foco da rota XD

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Seg 02 Fev 2015, 18:57

Rhyhorn começa a batalha, e seu primeiro golpe é bem sucedido, e o rato começa a prestar a atenção em mim, mas Purrloin me passa a perna, ele pula na nuca de Rattata e o mata.

“Que??? Esse Pokémon intrometido me atrapalhou, matou o Rattata que eu queria usar no treinamento, agora terei que procurar outro Pokémon selvagem.”

A minha lamentação não resolve muita coisa, e nunca resolveria, mas pelo menos me faz senti-me bem. Rhyhorn me olha por cima do ombro, me perguntando o que ele deve fazer. No momento eu não sei o que dizer, ou mesmo fazer, pois logo a chuva vai chegar, então não poderei mais treinar o meu Pokémon. Antes mesmo de eu pode fazer alguma coisa, uma pergunta é feita para mim, me assusto ao me virar, me deparo com nada menos do que um cadete e um Persian assustador.

“Aff, mas encrenca chegando, tenho que ficar calmo e sair daqui.”

O homem não para de olha para Rhiper, e isso me deixa irritado, mas as estrelas no braço dele me faz ficar mais “calmo”, uma batalha contra ele não seria burrice, seria suicídio. Recolho meu Rhyhorn e guardo a sua Pokéball. Então peço desculpas para ele, não que eu queira pedir, e sim por que isso é o mais inteligente a se fazer. Abaixo minha cabeça e saio com calma do beco, mas ainda percebo os olhos do homem em mim. Isso é bem estranho, mas tenho uma grande impressão que, o cadete visto por mim antes, tem o mesmo rosto do meu irmão Takashi.

Depois de alguns minutos, vejo que já estou bem distante do beco, mas mesmo assim uma coisa não me sai da cabeça, a semelhança do homem com Takashi, isso me faz pensar em muitas coisas. Procuro um lugar para me esconder da possível chuva, e enquanto procuro o local perfeito para isso, reflito sobre diversos assuntos.

“Acho que o Takashi não chegou nessa patente ainda, mas não vai demora para chegar... Agora que sou um Armagedon, as chances de encontra ele aumenta muito. E se um dia eu ter que fazer uma missão contra ele? Ou saber que outro vai tenta machucar ele? Não sei se conseguirei coloca a organização em primeiro lugar.”

Nesse momento sinto uma forte dor, ela está localizada no lado esquerdo do meu peito. Passo levemente a mão por ele, isso talvez isso faça a dor passar.

“Meu Arceus, por favor, não me faça passar por isso, se minha família descobri, eu não vou fazer mais parte dos Kleines, vão me considera a ovelha negra da família, e o pior de tudo não vai ser isso... Se um dia eu ser preso, como poderei olha para meu irmão? Não quero nem imagina a cara de tristeza dele.”

Uma lagrima rola pelo meu rosto, limpo-a bem rápido, não quero ser visto chorando.

“Tenho que me controla, não posso ficar chorando por ai... Vou fica em algum lugar coberto, e espera que alguma coisa aconteça.”

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Alice em Ter 03 Fev 2015, 11:25

A dor atingia o coração de Klaus. O medo por algo que ainda nem chegara a acontecer, mas que não era impossível de cruzar seu caminho. Naquele instante, não era o objetivo dos Armagedons, ou a crueldade cadete que vivenciara tantas vezes no passado, ou justiça, ou paz... Nada disso estava em sua mente. Naquele instante só pensava na imagem que seu irmão teria de si, pois ele sabia que, diferente da grande maioria dos cadetes, Takashi era justo e correto.

Esquecendo-se de Rattata e de Purrloin, Klaus parava de andar sob a marquise de uma loja já fechada. Seu futuro ainda era incerto e agora ainda mais arriscado. Pela primeira vez ele temia onde suas missões poderiam levá-lo e, agora, ele não poderia mais voltar atrás... Não poderia voltar para sua antiga casa, não poderia voltar para sua família e ainda tinha pouco dinheiro no bolso. As últimas economias das ajudas do irmão.

Um raio cruzou o céu, iluminando a cidade por alguns segundos. Pouco depois o vibrar do trovão pode ser não só ouvido, mas sentido também. Como se a vibração do trovão fosse um sinal, o celular do homem vibrou e, acreditando ser somente mais uma propaganda da operadora, ele o retirou do bolso sem muito animo. Contudo foi uma surpresa encontrar uma mensagem de um número restrito.

Mensagem no celular escreveu:Você deve recuperar as sete partes de um arquivo ultra secreto. Cada parte do arquivo está com um contato diferente por Pugil e cada contato lhe dará uma pista do próximo. Ao resgatar cada parte, ela deverá ser entregue ao gerente do Kazumi Hotel. É imprescindível que todas as partes cheguem inteiras e devidamente lacradas. O primeiro contato está no SPA.

Era óbvio que sua primeira missão chegava e Klaus tentava entender como a gangue obtivera o número de seu celular... A falta de identificação na mensagem era intrigante também, restando ao Arruaceiro acreditar que a missão era verídica e partir para o trabalho. Por sorte, a missão talvez não exigisse participação de Rhiper, então a chuva não representaria um problema, apesar de Klaus também não gostar de agir na chuva...


off: nota 10 o/
off2: Recompensa da missão: 1,000Pk$ e 2,500 de Exp divididos entre todos os pokémons
off3: missão de exp @w@

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Ter 03 Fev 2015, 19:55

Off: Primeira Missão. Então vamos lá, que Arceus me proteja.


Paro em frente a marquise de uma loja, essa ja estar fechada. Meu coração ainda estar acelerado. É muito doloroso pensar em situações que futuramente podem acontecer, mas não desanimo, eu sabia o que fazia quando decidi virar Armagedon.

" Infelizmente esse peso eu terei que carregar. Meu irmão é justo, eu sei disso, mas de um jeito diferente, eu também procuro justiça, só que em um caminho diferente do dele. Não desistirei disso, mesmo que necessário for, ver meu irmão desapontado comigo. Esse estilo de vida é arriscado, mas não desejo voltar ao que era antes, não posso, não quero... Mas novamente, peço por favor Arceus, não faça eu ter que enfrentar meu irmão, não me faça escolher entre família e sonho."

Enquanto reflito um pouco mais sobre o assunto, o céu fica iluminado, um som forte é ouvido por mim. O barulho do raio me assusta, e foi logo no momento em que eu não esperava. Sinto uma vibração. É como se o raio estivesse fazendo o chão vibrar.

- O que é isso? Um terremoto? Não...

Passo a mão no bolso, e vejo que a vibração é do celular. Bufo desanimado. Pego o aparelho, ja esperando uma mensagem chata da operadora, mas quando vejo o écran dele, me surpreendo com o conteúdo. O numero é restrito, a mensagem é diferente das normais, ela contém ordens e informações de como cumprir essa ordem.

- Achei que ia demora mais um pouco...

Não demoro para entender a mensagem, logo no inicio ja desconfiei do que se tratava. Uma missão dos Armagedons. Mas uma coisa me deixa preocupado. Como é que os Armagedons sabem o numero do meu celular?

Enquanto me dirijo a meu primeiro ponto de parada, o SPA Cresselia, penso um pouco sobre as informações que a organização tem sobre mim.

" Se eles sabem até o numero do meu celular, o que eles devem saber mais? Será que sabem do meu irmão? E se eles souberem, e me mandarem fazer um teste de fidelidade a organização. Isso é bem sério e perigoso. Mas acho que não devo me preocupa, os Armagedons não fariam isso, ou fariam?"

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Alice em Sex 06 Fev 2015, 17:51

off: sorry a demora ç.ç dias corridos e mto trabalho no conselho x.x
off2: sorry o post curto ç.ç
off3: sorry (again), mas sua rota agora irá voltar para Athena. Qualquer coisa, pode pedir em pedidos, perguntar na ouvidoria ou me mandar MP ;)


Ao ler a primeira missão, o coração de Klaus se aflige mais um pouco. Não bastava seu medo de que o destino fosse cruel e o colocasse no caminho de seu próprio irmão, agora havia o medo das informações que os Armagedons teriam a seu respeito. Um teste de lealdade não era inviável e, se falhasse, teria de fugir de Jack, o gangster responsável por apagar os traidores...

Enquanto caminhava em direção ao SPA Cresselia, a chuva se manifestava. Os grossos pingos caindo sobre si, encharcando sua roupa com velocidade e sendo completamente ignorados. Nas ruas tão diferentes, cobertas por água e não por asfalto, pequenas ondas começavam a tornar perigoso o trafego das pequenas embarcações. Diversos pokémons fugiam, querendo se ocultar da tempestade que se aproximava.

Após vários minutos de caminhada, o Arruaceiro erguia o olhar até então perdido. As luzes do SPA continuavam brilhando, convidando para que os civis fugissem da chuva e desfrutassem de um banho nas termas. Na mente do criminoso, a nova pergunta: como entrar e encontrar o contato sem chamar atenção?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Sex 13 Fev 2015, 16:38

O pingo forte da chuva não me incomoda. Continuo caminhando na chuva, sem me preocupa em me molhar. Como o velho ditado diz, "Quem estar na chuva, é para se molhar". Nas ruas, o asfalto não pode ser mais visto, pois a água ja o cobriu por completo. Diversas pessoas e pokémons, estão procurando um lugar para se proteger da possível tempestade, que se vier mesmo, eu vou estar em grande perigo.

"Acho que hoje vai ser um longo dia... Com essa tempestade, não vai ser possível fazer a missão com agilidade."

Após andar por muitos minutos, que com a água parece horas, eu consigo ver ao longe as luzes do estabelecimento. Um convite tentador para civis fugindo da chuva. Mas isso não é nada bom para mim, pois com muitas pessoas, vai ser mais difícil achar o meu contato aqui. Um pouco cansado de andar, e já sentindo um pouco de frio. Caminho com certa rapidez até o SPA. Quando chego na entrada do local, suspiro alegremente por ter conseguido chegar, logo depois adentro ao local. Agora as coisas vão ficar difíceis. Meu objetivo é encontra o contato, mas com a multidão de pessoas fugindo da chuva, isso não vai ser fácil. Exploro um pouco o local da entrada, observando todo mundo, talvez eu tenha sorte e ache algo suspeito.


Off: Post curto. Muita correria nesses dias.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Seg 16 Fev 2015, 01:32

A chuva parecia não afetar o jovem, mas obrigou-o a andar mais devagar. As ruas estavam alagadas e andar por elas requeria certa atenção para evitar os bueiros e grandes poças de água.

Seus cabelos estavam totalmente molhados, assim como suas roupas, que grudavam no corpo e dificultavam o caminhar. Isso poderia dificultar o tempo em que ele realizaria sua missão.

Ele previa algumas dificuldades na execução da mesma, pois o spa deveria estar cheio de gente fugindo da chuva. Seria difícil localizar a pessoa que ele deveria encontrar lá.

Após caminhar por vários minutos finalmente chegou a seu destino. Como ele previra havia  muitas pessoas em seu interior. Algumas fugindo da chuva, outras aproveitando o serviços ali oferecidos.

Ele precisava identificar a pessoa que iria passar para ele o local onde encontrar a primeira parte do arquivo.

Uma moça se aproximou dele. Ela trazia nas mão algumas toalhas felpudas e cheirosas. Ela estava oferecendo para pessoas que como ele estavam molhadas e desconfortáveis.

- Bom dia. Vejo que também foi vítima dessa chuva. O spa está oferendo gratuitamente essa toalhas, para as pessoas que necessitam. Você aceitaria essa gentileza ?  O spa também fornece vários serviços, cujos preços estão anexos na tabela próximo ao balcão de atendimento.

Ela entregou a toalha para ele e logo saiu para entregar a outra pessoas que também haviam se escondido da chuva ali.

Enquanto e secava olhou ao redor na tentativa de identificar a pessoa com sua pista. Ninguém chamou sua atenção. Todas as pessoas tinham características comuns e pareciam estar entretidas em seus próprios problemas . Resolveu caminhar pelo local, na tentativa de descobrir algo a respeito.

off: Reassumirei a sua rota. Vamos nos divertir.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Dom 06 Set 2015, 15:27

A chuva não é nada em comparação a dificuldade de achar o meu alvo. O spa está cheio de pessoas desconhecidas e pouco suspeitas, assim a missão fica cada vez mais difícil de ser realizada. Uma moça chega perto de mim, ela parece trabalhar no spa, a mesma me oferece uma toalha felpuda e gostosa, me fazendo lembrar da minha casa, onde eu só usava essas, isso antes de vim para essa cidade e ficar na lama.
- Obrigado.
É a única coisa que digo a moça, antes dela parti para oferecer o item para mais uma pessoa. Uso a toalha para me enxugar, e enquanto faço isso procuro o meu alvo, mas não acho ninguém que me pareça suspeito. Coloco a toalha em algum lugar que me pareça o certo de se coloca. Começo a andar pelo spa observando as pessoas nele, procurando alguém que se pareça com um gangster disfarçado, alguém que também esteja procurando alguém com os olhos, que esteja sozinho e que pareça está esperando alguém. Caminho duas vezes pelo local para ver todas as pessoas. Depois, se eu identificar alguém, pararei e a observarei, mas somente se eu achar somente uma pessoa, mas se eu achar mais de uma, irei ver qual vou observar.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Seg 07 Set 2015, 15:36

Klaus pegou a toalha e ela fez com que ele voltasse ao passado. Lembrou-se da época em que elas faziam parte de sua vida onde conforto era imprescindível.  Ele secou-se enquanto passava os olhos pelas pessoas que estavam ali, mas nada identificou seu contato.

As pessoas pareciam normais e não havia nada de suspeito no ar. Apenas pessoas fugindo da chuva, os clientes habituais do spa e seus funcionários.

Ele se distraiu procurando o seu contato sem sucesso. Ele não sabia ao certo o que procurar, não haviam fornecidos nenhuma pista de como encontra-lo, nem o menor detalhe de como ele ou ela seria. Havia uma jovem de longos cabelos castanhos, em um sedutor vestido preto. Ela olhava discretamente para ele, poderia ser seu contato ou simplesmente ela o achara interessante.

Enquanto passava a toalha pelo rosto algo o incomodou. Quando olhou para ver o que era percebeu que havia um envelope colado nela. Ele era do mesmo tom da toalha e por isso passara despercebido.

Olhando para os lados para ver se não estava sendo observado, ele delicadamente abriu o envelope e dentro dele havia um cupom que dava direito ao uma seção na sauna.

Discretamente ele observou as outras pessoas que haviam recebido suas toalhas, mas aparentemente apenas na dele havia esse envelope. Todos estavam distraídos com seus problemas apenas a garota escultural que insistia em observa-lo a distancia.


off: Seja bem vindo, vamos retomar a diversão.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Seg 07 Set 2015, 19:11

off:

Obrigado :-D
Espero que Klaus consiga achar o contacto dele, são tantos imprevistos que aparecem, tirando o cupom e a moça, o resto foi tudo imprevistos ruins XD
Estou um pouco enferrujado,  então qualquer coisa errada é só dizer.

O tempo que tenho para achar o meu contacto é pouco, e minha estratégia de procurar visualmente o alvo não está funcionando. Noto uma linda moça me observa, ela tem longos cabelos castanhos que a fazem mais bonita do que já é, ela está usando um vestido preto sedutor, e está funcionado, pois ela me seduziu com seu olhar. Infelizmente esse não é o melhor momento para eu ir flertar com nenhuma mulher, tenho uma missão importante para cumprir. Sinto um incómodo ao passa a toalha no rosto para enxugá-lo, então olho para a mesma e tenho uma surpresa.  Um envelope da mesma cor da toalha está colado na mesma. Procuro visualmente a moça que me entregou a toalha, talvez ele me explique o que significa isso, mas não a acho. A curiosidade começa a bater, e começo a entender o que o envelope significa, ou acho que começo a entender. Talvez o item deve estar com mais uma pista de minha missão, então decido o abrir, mas primeiro olho para os lados para ter certeza que ninguém está me observando, logo depois de constatar que não há, abro o envelope e acho um cupom. Acho isso muito estranho, pois esperava um bilhete ou algo do tipo, não isso. Leio o cupom e percebo que ele me dá direito a uma secção na sauna. Observo novamente as pessoas ao meu redor, tentando ver se alguma outra recebeu o mesmo cupom que eu, mas não vejo nenhuma, todas as pessoas estão cuidando de seus problemas, exceto a mulher que continua me observando.
"O dia começou um pouco conturbado, mas acho que hoje é meu dia de sorte. Primeiro, consegui minha primeira missão, depois consegui essa toalha tão gostosa para me enxugar, logo noto a linda moça me observando e agora tenho um cupom para sauna! Se isso for mesmo como as missões dos gângsteres são, quero fazer uma todo dia."
O destino me ajuda mais e mais, agora posso unir o útil ao agradável, pois posso falar com a moça que me observa e ainda posso ir a sauna para relaxar um pouco. Rapidamente vou até a linda mulher, vou um pouco tímido, mas tenho que aproveita a oportunidade. Ao chegar perto dá moça eu a cumprimento.
- Com licença, poderia me ajudar? - Esperaria ela responder a pergunta, se a resposta for positiva eu direi. - Me chamo Klaus, e estou procurando onde é que fica a sauna, já tentei acha-la mas não consegui. - Mostrarei um sorriso tímido para ela enquanto espero a resposta. Se ela me dizer onde fica o local, direi a ela. - Você não poderia me acompanhar até lá? Não quero errar o caminho sabe. - Agora iria mostro um sorriso mais "sedutor" para ela.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Ter 08 Set 2015, 15:34

Parece que o dia estava melhorando para Klaus, depois de tudo o que acontecera até o momento, as perspectiva estavam começando a ficar interessante. Aquela toalha macia, coisa que ele já não usava há um bom tempo, o convite e a possibilidade da garota indicavam que o dia iria melhorar. Sem falar que ele recebera sua primeira missão.

Olhou ao redor novamente a procura de alguém que pudesse estar vigiando seus passos,mas as pessoas ao seu redor estavam cuidando dos próprios assuntos. Pensando sobre o assunto ele decidiu unir as duas coisas, a garota e sua missão.

Ele caminhou até ela que deu um sorriso misterioso quando notou sua presença. Ela ouviu sua proposta e com uma voz sexy e melodiosa ela apontou para uma placa que estava na parede.

- Oi meu nome é Lyanna, eu sou uma frequentadora assídua deste spa. Prazer em conhece-lo, você deve ser novo neste local. Em várias parede daqui há um painel, na realidade é um mapa. Basta você digitar o local onde quer ir, que ele mostra o caminho a seguir. Contudo ficaria honrada em mostrar o caminho a você. Eu vou ao bar, que fica na mesma direção.

Sem esperar resposta ela se virou e começou a caminhar. Ela parecia flutuar no chão, seus passos eram silenciosos e seu caminhar era majestoso.

- Você não vem? Eu não curto muito a sauna, há muita umidade que irrita a minha pele sensível. Você gostaria de tomar algo comigo, antes de sua seção na sauna?

off: Quem sabe o que virá a seguir. rsrsrsrsrs

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Qua 09 Set 2015, 10:36

Off: Já prevejo uma cadete disfaçada, ou uma ladra, ou...
Klaus é bem interessante. Um pouco... multi-pensamentos opostos.

A moça é encantadora. Uma perfeita companhia nesse maré de sorte minha, não posso deixar essa chance passar. Enquanto ela caminha, olho para suas nadegas. Me distraio por um estante, até ouvir novamente a voz frminina me fazer uma proposta. No momento tenho que pensa bem rápido, então decido usar não a mente, e sim o instinto... Acho que esse foi o meu erro.
- É, acho que um drink não seria má ideia.
Continuo caminhando depois disso, e continuo destraido com...
Se Lyanna falar comigo mais uma vez, responderei a pergunta, se claro ela não representa "perigo" para minha missão. Logo se ela somente "puxar" convesa comigo, irei falar o que eu sei sobre o cujo assunto. No momento que chegasse no bar, esperaria Lyanna pedir, depois fingirei pensar e perguntarei.
- hummm... O que você recomenda para alguém como eu?
A pergunta será com o intuito de saber o que a moça pensa de mim. O que ela me sugerir pedirei, mas se o drink ir além do que possuo, simplismente direi.
- Não, não. Essa não, acho que não é meu estilo.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Qui 10 Set 2015, 18:46

Klaus confiava em sua maré de sorte e decidi acompanhar a moça. Ele elaborava planos para varias situações, mas ninguém consegue prever o que destino reserva.
Eles passaram pela sauna e chegaram ao bar. O ambiente era sofisticado ao extremo. O típico lugar que Klaus achava digno dele, mas os preços não estavam a altura do seu bolso.


A garota percebeu sua hesitação e olhando de um modo sedutor, indicou para que ele entrasse.

-  Antes de entrar vamos estabelecer uma regra. Você é meu convidado e eu ficaria muito magoada se você quiser pagar a conta. Espero que você não seja desses tipos machistas que não aceitam que uma mulher pague nada para eles.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Dom 13 Set 2015, 23:44

O ambiente sofisticado do spa me faz lembrar de varias coisas do meu passado, isso é verdade, mas isso não importa mais. Tenho a impressão que hoje tudo pode acontecer, e isso me assusta um pouco, não sei nem ao certo porquê.
Caminho pelos corredores seguindo a moça. Passámos por varias salas e uma dela dá acesso a sauna. Continuamos seguindo até que posso ver o local onde está situado o bar. O local é bem bonito e agradável, me sentiria em casa em outra época, mas nesse momento me sinto deslocado, sem saber ao certo se ainda sou desse mundo.
"O que está acontecendo comigo, devo ficar feliz, mas estou confuso."
Os meus passos são iinterrompido involuntariamente, e minha hesitação é notada pela linda mulher. Ao ver que meu estado se alterou bruscamente, tento voltar ao meu estado normal o mais rápido possível. A voz suave me faz voltar do meu estado "confuso", me alertando sobre uma única coisa, ela não gosta de homens machistas.
"Nem se eu fosse um poderia não aceitar esse termo, e nem ousaria dizer para rachamos a conta, isso é algo muito idiota de se fazer, mas mesmo assim, queria poder pagar a conta, séria mais 'educado' ou melhor dizendo, séria um cavalheirismo se eu pagasse a conta."
Olho para seu jeito sedutor, não tenho como resistir a seu chame, então digo a ela em tom confiante.
- Ok, vou aceitar seu termo, mas dá próxima vez você será minha convidada especial.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Qui 17 Set 2015, 13:41

Klaus criara varias expectativas sobre o dia de hoje, ele analisou o que ocorrera até então e suas esperanças aumentaram.

O bar do spa era sofisticado e moderno, como ele gostaria de estar frequentando hoje em dia, ao invés dos lugares sem graça e estilo que ele frequentava.

A garota sorriu, como uma promessa futura, mas não comentou a resposta dele. Um garçom alto e musculoso se aproximou e os levou a uma área V.I.P do bar. Ele lançou um olhar ousado, na direção da moça, um olhar cheio de intimidade.

- Olá senhorita Lyanna, a sua mesa a aguarda. Ela foi preparada de acordo com suas instruções. Se desejar qualquer coisa é só me chamar.

Lyanna deu um sorriso ao rapaz, que piscou os olhos sedutoramente para ela e seguiu-o até uma mesa na melhor localização do bar.


A vista da mesa era linda, de uma lado havia uma janela panorâmica que emoldurava o lindo jardim do spa. Do outro lado, havia uma visão sem obstáculos da porta de entrada da sauna. Klaus poderia ver o movimento de pessoas que usavam a sauna , antes de entrar nela.

Eles se acomodaram a mesa, tão próximos que caberiam mais cinco pessoas no banco.

- Você me serviria uma taça de champanhe, com uma lichia, por favor.

Os olhos da moça eram hipnotizantes, sua voz doce e seus lábios entreabertos eram um convite. Klaus não conseguiria resistir a eles.

off: Parece que o tumultuo não acabou ainda, me desculpe pela demora. Acredito que mais uns quinze dias e as coisas entrem no eixo.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Sex 18 Set 2015, 13:43

O garçom musculoso me parece conhecer bem Lyanna, um pouco até demais. O clima entre os dois é extremamente forte, com troca de olhares e sorrisos. A imaginação voa longe, tentando entender o que acontece a minha frente.
"É, isso não é boa coisa. Será que os dois já tiveram ou tem alguma coisa? Ou será que estou julgando essa situação mal?"
Enquanto estou decifrando a situação em minha cabeça, o garçom nos leva até uma área privilegiada. A vista realmente é ótima, pois além de ver um jardim muito bem cuidado, posso ver quem entra na sauna sem problemas. Antes de sentar na cadeira, puxo uma para Lyanna sentar, tentando impressionar a moça, mostrando minha boa educação. A distancia entre nós dois é bem pequena, e isso me agrada e muito. Enquanto ela pede sua bebida, fico observando-a atentamente. Ao termino do pedido dela, somente digo ao garçom que me traga a mesma coisa. Os olhos de Lyanna me fazem viajar em um mundo de possibilidades, me deixando completamente aéreo . O esforço colossal de prestar atenção a sauna é vencido e eu me vejo distraido tentando estabelecer uma conversa entre mim e ela.
-- Vejo que você é bem conhecida por aqui. Um lugar sofisticado como esse deve ser comum para uma bela moça como você.
Após os elogios espero ela falar alguma coisa, se for alguma coisa significativa pensarei primeiro antes de falar algo, mas se ela somente agradecer ou algo do tipo, continuarei dizendo.
-- Você é de Pugil mesmo ou veio para cá aproveitar a vida?
Tentarei ao máximo saber mais de Lyanna, mas sempre tentando prestar atenção a sauna e os que entram nela, ou mesmo os que saem.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Sab 19 Set 2015, 15:23

Klaus se mostra o mais atencioso possível. Ele queira impressionar a garota e não ia deixara nem uma maneira escapar.

Contudo havia algo o incomodando. A maneira como o garçom a tratara, parecia ser um pouco intimo demais. As trocas de olhares e sorrisos podiam indicar haver mais ali do que apenas a dedicação de um bom funcionário.

Logo chegou nosso pedido e isso impediu que ela respondesse de imediato. Klaus notou para a comida que chegara e pensou em como esse pessoal consegue ficar magro com a quantidade de comida apresentada.


O garçom serviu uma pequena dose de vinho para Lyanna esperando por sua aprovação. Quando ele fez isso, colocou-se em uma posição onde exibia todo o seu físico trabalhado. Lyanna fez um sinal de aprovação, ele serviu aos dois e saiu em seguida.

Lyanna acompanhou o jovem com o olhar até que ele desapareceu, então voltou sua tenção para Klaus que aguardava sua resposta.

- Frequento muito aqui. Normalmente a negócios. Por isso o pessoal daqui já conhece minhas preferencias.

Klaus ao mesmo tempo vigia a entrada da sauna, mas parecia que ninguém estava interessado nela. A porta da sauna continuava fechada, logo após um grupo de jovens entrar.

Lyanna pegou o queixo de Klaus entre os dedos e virou seu rosto em sua direção.

- Eu sou uma criatura do mudo. Venho de vários lugares. Sempre aproveito a vida. A vida foi feita para ser aproveitada. E meus negócios me levam a vários lugares. E você como aproveita sua vida?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Ter 22 Set 2015, 16:27


-- Eu aproveito a vida como posso. O ambiente não importa muito, o importante são as ações que realizámos nesse lugares, não acha?
O meu objetivo é não falar muito de mim, isso me possibilita ficar como um desconhecido para ela, assim reduzindo qualquer chance de ter alguém que me conheça ou saiba minhas futuras ações. Para fugir de qualquer pergunta importante, fico com a tarça de vinho na mão, assim poderei beber o vinho e ganhar tempo para responder a pergunta.
-- Mas me diga, que tipo de negócio você faz? Posso me interessar por esses seus "negócios" ?
O tempo já me mostou que isso não é somente um flete inocente, isso é um jogo e eu não quero perde.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Ter 22 Set 2015, 23:09

Lyanna sorriu sedutoramente ao ouvir a resposta de Klaus. Ela pegou sua taça de vinho e tomou um gole, apreciando o sabor adocicado da uva. Esperou um breve momento, como se estivesse analisando a pergunta feita a ela.

-Não

A resposta fora clara e objetiva. Uma simples palavra que carregava tantos significados. Novamente ela fez uma pausa para apreciar o vinho.

- Seria perigoso para você fazer parte de meus negócios. Tenho certeza que você não gostaria disso. Vamos mudar de assunto. Você já pensou em fazer fisiculturismo?

Enquanto falava seus olhos percorreram o restaurante como se estivesse a procura de algo.

O movimento do bar nessa hora era calmo, haviam apenas uns dez clientes e a maioria estava distraído com seus próprios interesses. Após esse momento desconfortável, Lyanna voltara a ser a mulher sedutora de antes. Os negócios dela pareciam um ponto crítico na conversa, o que aumentou o interesse de Klaus sobre eles.

Se ele quisesse manter o encontro teria que evitar o assunto. Para ganhar tempo ele passou os olhos pelo local, aproveitando para vigiar a entrada da sauna, mas ali o movimento era tranquilo com um entra e sai de clientes mais ou menos constante.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Qua 23 Set 2015, 13:44

A resposta negativa me surpreende com toda certeza. Fico sem saber o que fazer ou dizer, então fico calado tentando entender o "não" dela. O clima parece começar a ficar tenso, então pergunto sobre os negócios dela, mas acho que dei mancada. A frase me intimidou de inicio, mas logo percebi que tudo estava ali, na minha frente.
" Se for o que eu acho, com certeza estou com sorte hoje."
A minha primeira reação e tomar um pouco do vinho, tanto para ganhar tempo, quanto para reviver os velhos tempos. O meu instinto me diz uma coisa, mas a lógica outra e fico indeciso em que fazer. Decido que arriscar tudo é a melhor escolho... me arrependo disso.
-- Não tinha pensado nisso, isso seria uma ótima idéia. É, quem diria que as horas que passei treinando para me torna cadete serviriam para alguma coisa.
Digo a frase em tom bem natural, mas logo fico analisando a reação de Lyanna, pois a chave para uma duvida minha está na reação dela após dizer que queria ser cadete, o que ao todo não é mentira.


Off: Sorte? Sei... sinto que ele vai é entrar em encrenca

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Athena em Qua 23 Set 2015, 23:08

O vinho era realmente uma delícia. Havia um sabor intenso de uvas geladas. Quase como um suco, mas com um bom teor de álcool para equilibrar.

Ele bebeu vagarosamente para aproveitar todos os sabores que a bebida fornecia e também para ganhar tempo e mudar de estratégia antes de responder a pergunta da garota.

Ele decidiu arriscar. Não era a verdade, mas também não era uma mentira completa. Ele lançou a isca e ficou esperando o resultado.

Ela levantou as sobrancelhas e olhou intrigada para ele. Um leve sorriso em seus lábios.

- Huuumm Cadete. Tenho um fraco por oficiais. Você deve ter conhecido minha prima. Ela é a comandante Angélica. Ela queria me arrastar para essa vida, mas ela não é para mim. Tenho outros objetivos em mente, mas nós estamos aqui para nos divertirmos. Vamos comer alguma coisa? A vieira são ótimas ou você prefere ostras?

off: O que o leva a crer nisso?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Naruub em Qui 24 Set 2015, 10:18

Off: O que me leva a cher?? Meu Arceus! Klaus, foge menino, sai correndo. Pula a janela e vaza.

O coração parece nem estar mais batendo. Minha garganta parece se fechar com o "nó" que deu. Nenhuma tentativa de esconder meu nervosismo funcionaria, pois a resposta trouxe uma surpresa pior que eu imaginava.
-- A Angélica?!
Pego a taça e tomo todo o vinho restante, tentando me acalma mais. Sei muito bem que isso vai me prejudicar, mas tenho que pensar em um jeito de ir embora sem que ela perceba meu medo intenso por ela.
" Maldita hora que disse que a sorte estavá do meu lado."
O meu objetivo de parecer um rapaz bem educado vai pelos ares, agora a unica coisa que quero é ir embora antes que seja descoberto.
-- Por favor, avise-me antes de mandar uma bomba dessas. Na verdade... não, eu não conheci a Angélica, fracassei no teste de admissão...
Abaixo a cabeça fingindo está desapontado comigo mesmo, mas isso também não é uma mentira, pois estou desapontado em me meter em uma situação dessas.
-- Continuando. Vieiras são melhores, as ostras não são para mim.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Livro de Klaus - Capitulo II

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum