Um batismo com as águas da chuva.

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qui 22 Maio 2014, 18:17

Os pensamentos da Seguidora aos poucos trassavam uma teoria sobre oque havia acontecido ao Ninetails deitado em seu colo, o calor da raposa aos poucos se espalhava para o corpo da jovem, já Natu parecia limpar o pelo dourado da raposa ou simplesmente brincar de forma infantil com a orelha desta.

As imagens que invadiram a mente da Seguidora por sua vez afastaram qualquer calor de seu corpo, o cheiro de sangue era eminente assim com uma dor atroz na altura das costelas embora o local estivesse dormente era claro cada nova pontada de dor ao simples respirar.

Uma fraqueza tomava conta de todos os músculos da pequena raposa que tentava se manter em pé, a cada esforço a dor aumentava cada vez mais até se tornar insuportável, mas mesmo assim o Vulpix continuava a se arrastar na direção da casa, a suas costas era possível ouvir o som de risadas, tão fria quanto a morte enquanto uma pergunta era feita sem esperar pela resposta:

- Você tem certeza de que se essa raposa evoluir ela vai me obedecer?...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Sex 23 Maio 2014, 23:41

Olhando a raposa em meu colo, aquele peso morno e aconchegante, Natu brincando amorosamente ela, tudo parecia natural e certo. Adoraria que isso se tornasse permanente. Se ela por livre e espontânea vontade nos acompanhasse, poderia amar ela profundamente. Juntas poderíamos ser felizes novamente.

Essas imagens foram varridas de minha mente e senti uma dor profunda na altura de minhas costelas. E o cheiro de sangue invadiu meu nariz. Respirar era doloroso, contudo havia a necessidade urgente de chegar lá.

O calor aumentava a cada passo que eu dava, mas eu não sentia mais isso. Uma fraqueza estava tomando conta do meu pequeno corpo. Meu músculos queria ceder e uma dor profunda invadia meu ser a cada passo que eu dava.

A imagem da casa em chamas era a única coisa que eu via. Aquele pequeno vulto se transformara em uma bola de fogo. O cheiro de fumaça impregnava meu nariz e uma frustração começou a se fazer sentir.

O som arrepiante de risadas surgiu às minhas costas. Era um som tenebroso, parecido com a voz da Morte se ela estivesse rindo. Um som profano e medonho que definia toda aquela situação.

E uma pergunta pairava no ar:

- Você tem certeza de que se essa raposa evoluir ela vai me obedecer?...

Minha cabeça era uma baita confusão de sentimentos. Estava fazendo um esforço supremo para entender o que estava acontecendo. Tinha uma noção do que queria fazer, mas precisava saber de mais uma coisa.

-Você consegue identificar os donos dessas vozes que você escuta às suas costas? Os donos dessar risadas?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Ter 27 Maio 2014, 17:37

Invés de uma resposta formulada em palavras a raposa continuou a mostrar imagens para a Seguidora.

O corpo avermelhado continuava a se arrastar na direção do fogo enquanto a risada se aproximava mais e mais, sendo erguido bruscamente pela nuca a raposa ganiu alto quando sentiu sangue escorrer da ferida aberta, seus olhos amarelados não conseguiam focar direito no homem de barba negra e cabelo desgrenhado que o segurava, sua mente aos poucos fraquejava assim como a respiração do vulpix que aos poucos se perdia em sua própria imagem refletida em uma Fire Stone erguida a sua frente.

Refletida na pedra a imagem de uma enorme raposa branca sobrepor a da pequena raposa avermelhada fazendo com que o calor voltasse ao corpo do vulpix, uma luz tomou conta do corpo avermelhado fazendo com que este crescesse transformando os pelos vermelhos em uma bela camada de dourado.

O vazio tomou conta da mente do Ninetails quando a primeira ordem veio, os olhos azulados encararam o homem a sua frente com frieza assim como a mulher de cabelos castanhos que pisavam em cima do corpo inerte do homem loiro das fotos, até mesmo a pokebola nas mãos do estranho eram indiferentes ao Ninetails que continuava em pé apenas olhando a cena, mas o simples toque das mãos do estranho de cabelos negros foi suficiente para que uma onde de medo e dor preenchesse toda a extensão do corpo da raposa.

Nesse momento o Ninetails se afasta do colo de Morgana sentando-se a sua frente enquanto dizia:

- Depois disso eles tiveram o final que mereciam...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Qua 28 Maio 2014, 15:03

Ao invés de uma resposta, várias sensações tomaram conta de mim. Senti novamente uma dor avassaladora em minas costelas. Conseguia ver somente através de uma névoa, as imagens tinham sua nitidez afetada por ela.

Fui erguida pela minha nuca e gemi ao sentir minha ferida se abrindo e meu sangue jorrar em grande quantidade por ela. Pude ver apenas uma imagem borrada de um homem com barba negra e cabelo desgrenhado. Ao fundo podia ouvir uma risada feminina que acompanhava a risada masculina. Não pude acreditar que alguém estivesse se divertindo com meu sofrimento. Minha mente se enfraquecia e quase não podia definir as imagens. Apenas o som das risadas permanecia.

Uma pedra vermelha surgiu a minha frente, pude ver o reflexo de meus olhos amarelados enquanto ela se aproximava. A pedra tinha cores do fogo, como se ele residisse em seu interior.

Minha mente estava confusa, olhando para a pedra, vi Moltres voando em seu interior, seus olhos olhando diretamente nos meus. Isso foi um sinal para meu corpo. Senti vibrações leves em meu corpo, como se ele tivesse atingido por um raio carregado de energia. Então senti ele mudando, como se eu estivesse aumentado de tamanho. Uma onda de pelos dourados surgiu em meu corpo. Senti meu focinho se alongar, e uma leve umidade surgiu em meus olhos, melhorando levemente a nitidez das imagens que eu via. Minha mente estava confusa com tudo o que estava acontecendo.

Pude ver o mesmo homem de barba negra e cabelos desgrenhados, mas também havia uma mulher de cabelos castanhos. Ela estava em uma pose que mostrava como ele era orgulhosa e arrogante, e sob os seus pés estava um um corpo.  De imediato não conseguir identificar a quem pertencia esse corpo, mas uma sensação de dor retornou ao meu corpo e eu comecei a ligar os fatos.

Minha mente estava confusa coma as imagens que surgiam, pude ver uma imagem do rapaz de cabelo loiro que agora estava aos pés da morena arrogante, e havia também uma criança. Uma sensação de amor e confiança banhou o meu ser.

Então senti o cheiro de fogo e a imagem do pequeno corpo entre as chamas invadiu a minha mente. Um desespero profundo encheu meu peito e a lembrança da dor.

Minha mente se encheu por um ódio profundo e insano. Aqueles pés pisavam com o maior desprezo na razão de meu amor e respeito. Uma risada infantil encheu meu ouvido e eu percebi que nunca mais ouviria esse som que me fazia tão bem.

Ouvi uma voz masculina num tom de comando, mas não identifiquei o que ela dizia. Aquilo não fazia o menor sentido para mim. Até a pokebola nas mão do estranho, não representava nada para mim. Algo tomou conta de mim. O toque daquele estranho me encheu de medo e dor. Precisava fazer algo para liberar aquilo que oprimia o meu peito. Precisava fazer algo para que eu pudesse respirar novamente.

Meus olhos se fixaram nas criaturas que eram a origem de tudo o que tinha me acontecido. Senti meu focinho se encolher e meus dentes ficarem expostos. Um som estranho se formou em meu peito e me senti lançar sobre aquelas figuras. Um prazer tomou conta do meu ser ao ver o sangue cobrir aquelas criaturas. Aquele cheiro ferroso voltou a tomar conta do ambiente, era o cheiro do meu ódio que tomou conta do lugar.

Dei um suspiro profundo e tudo desapareceu, apenas aqueles tristes olhos azuis me olhavam a uma certa distancia. E ele apenas se justificou dizendo:

- Depois disso eles tiveram o final que mereciam...

Olhando aquela figura ali imóvel, ouvi Natu emitir um piado ao mesmo tempo triste e compreensivo. Senti que podia entender tudo o que a pequena raposa havia sentido. E sem aviso prévio senti a mesma coisa que sentia antes, quando havia os lapsos de memória. Fechei meus olhos e implorei por Arceus ...

- Oi, devo me apresentar para você. Pode parecer estranho, mas nós somos duas metades vivendo em um único corpo. Eu fui criada pela graça de Arceus para amparar e dar suporte a mente que estava mais fraca. Ela precisava de ajuda para se superar do que aconteceu e para que juntas possamos realizar o designo que Arceus nos propôs. Ela não sabe sobre mim e eu procuro não interferir a menos que ache isso necessário, como é o caso agora. Sei exatamente o que está sentindo, porque passei por coisas similares. A dor e a perda de quem amamos, principalmente da maneira como ocorreu pode ser uma alavanca enorme e nos possibilita fazermos coisas além de nossas forças. Coisas que em sã consciência nunca faríamos.
Porem devemos deixar isso par trás. Sei que suas lembranças voltarão com o tempo e você vai trabalhar com ela conforme forem acontecendo.  Nó temos duas alternativas para isso, você pode continuar sozinho e viver do passado, ou poderemos vivenciar isso juntos e eu poderia ajuda-lo nesse processo. Como uma equipe, Natu, você e eu podemos levar a vida adiante. Um passo de cada vez. Poderemos ter um propósito, guiados por Arceus, e assim nos sentirmos melhor. Nós controlamos nosso destino, cabe a nos decidir o que fazer. Arceus nos mostra o caminho, mas precisamos dar o primeiro passo. O que acha de nossa companhia ?


Isso me deixava levemente irritada, sabia o que tinha ocorrido. Novamente eu havia ficado parada sem saber o que se passava ao meu redor enquanto coisas aconteciam. Esse lapsos me irritavam.  Aqui estava eu, me perdendo naqueles olhos azuis, enquanto Natu se aconchegava ao meu pescoço com a expressão de quem espera uma resposta.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Seg 02 Jun 2014, 20:02

A raposa sorriu de forma carinhosa, uma sensação de paz invadiu o corpo da Seguidora enquanto a voz grave do Ninetails ecoava por sua mente:

- Eu já não sou puro, e todos os dias meu coração grita de dor e agonia por nao estar mais do lado daqueles que amo...

Uma lagrima escorreu pela face da raposa enquanto esta se levantava dizendo:

- Apenas reso para que Arceus me perdoe por ter que lhe pedir... Mas eu já não aguento mais esse existência criança...

Natu piou alto antes mesmo da raposa concluir sua fala, o pequeno pássaro parecia abatido, mas o Ninetails parecia tranquilo demais com a situação e o pedido:

- Por favor criança de Arceus... Faça com que meu coração pare de bater e que o frio que me cerca finalmente tome meu corpo por completo!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Ter 03 Jun 2014, 23:24

Um sorriso se formou na face da raposa. No mesmo instante uma onda de paz e plenitude envolveu o meu ser. Era uma caricia mental no amago do meu ser.

A voz da raposa se fez ouvir novamente em minha mente e o que ele falava era totalmente inverso ao sentimento que ele exprimia.

Continuei fitando aquela face e lagrimas começaram a verter daqueles lindos olhos azuis. Ele continuou a falar e cada palavra que ele dizia provocava em mim sentimentos conflitantes.

O som que Natu emitiu, demonstrou que ele sabia o que vinha a seguir. Por um momento fiquei chocada e pensei não ter entendido o que a raposa me pediu. Em minha mente pude apenas dizer "Nãããããooooo., isso não pode estar acontecendo comigo. Ele não espera que eu possa fazer isso."

Por um momento fiquei calada, sem saber o que dizer. Eu me sentia muito próxima da raposa, podia entender o que ele sentia. O que ele me pedia não era uma opção que eu estava levando em consideração.  

Respirei profundamente várias vezes, buscando organizar meus pensamentos. Precisava expor todas as opções que eu achava viável, antes de tomar qualquer decisão.

- Sou obrigada a discordar de você em vários pontos. Você fala que não é mais puro por tudo o que aconteceu naquela noite. Ninguém pode julgá-lo por isso. Nem você pode se punir por isso. Embora eu seja contra toda forma de violência, não consigo imaginar outra solução para o caso. Você estava lutando pela sua vida e não pode se culpar pelo que foi obrigado a fazer. Sei que inicialmente sentiu prazer em destruir aquelas criaturas, mas sei que se arrependeu disso. Você tem sentimentos nobres e sofre muito com a ausência das pessoas que você amava. Mas o que você pretende não vai aproxima-lo deles. Ao contrario vai eliminar as chances de um reencontro futuro.

Pense bem sobre o que você me pede.Isso vai contra tudo o que me ensinaram, mas principalmente, vai contra tudo o que eu acredito ser o certo. Você sofre pelo vazio deixado pelas pessoas que você amava, mas pense o que elas pensariam sobre o que pretende fazer.
Será que elas não apreciariam que você tivesse uma vida mais produtiva?
Eu sei, por experiência própria, que a melhor maneira de se sentir melhor, é ajudar as pessoas e pokemon que precisam. A alegria que eles sentem preenchem esse vazio deixado pelas pessoas que amamos. Com certeza, Arceus tem uma missão para você, porque senão você não estaria mais aqui. Ele me colocou nesse caminho porque temos almas gêmeas, sofremos atrocidades. Ele me colocou aqui para lhe mostrar, que existe outra maneira, basta apenas você se comprometer. Rezo para que Arceus o abençoe e mostre o caminho a ser tomado. Pense bem,você realmente quer desperdiçar sua vida dessa maneira ?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qui 05 Jun 2014, 20:26

As palavras da seguidora apenas fizeram com que o sorriso da raposa aumentasse mais ainda, era estranho que um ser tão belo lhe pedisse para cometer uma atrocidade de forma tão calma e placida, porem a voz da raposa demonstrava claramente a força de seu desejo mesmo que funesto:

- Entenda criança, eu vivi demais... Mais do que você possa imaginar, minha alma ja partiu a tempos o que me impede de acompanha-los é essa casca vazia... Minhas chamas já estão se extinguindo aos poucos eu apenas quero acelerar minha partida criança...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Ter 10 Jun 2014, 20:06

O sorriso se ampliou na cara da raposa. Isso não era um bom sinal. Era um sorriso de condescendência, como se ele já tivesse ouvido isso e não aceitou a oferta.

E ele falou novamente, mas eu não consegui ver sentido no que ela disse.Ele persistia com aquela ideia maluca. Eu não poderia aceitar em hipótese nenhuma.

-Você não pode obriga-la a fazer isso. Isso iria destruí-la. É contra tudo o que nos acreditamos. Você disse que viveu muito tempo. Bom eu discordo do que você disse, você existiu por muito tempo mas, não viveu nesse período.Você ficou presa às pessoas que você amou e que sofreram coisas horríveis para que apenas alguém roubassem você. Ele fizeram atrocidades com você, mas você se vingou e passou esse tempo todo se torturando por isso.

- Por isso eu te digo que você não viveu, apenas existiu. Você poderia ter deixado isso para trás. Você deveria ter procurado um propósito, algo que fizesse você se sentir melhor, para que você evoluísse e pudesse encontrar quem ama em outro plano. Arceus o mantem aqui poque quer te dar uma chance, ele tem uma missão para você e se você permitir ele irá mostra-la a você. Não tomo ma atitude covarde. Aceite o que ele lhe propuser. Você merece se encontrar com quem ama. Você tem três opções, ir comigo em minha jornada. Se não quiser ir comigo você pode procurar um templo de Seguidores. Sei que eles te receberão de braços abertos e lá Arceus pode se revelar a você. Ou continuar com essa ideia idiota. Você decide. O que você quer fazer? Mas lembre-se dependendo da sua decisão você pode ter na consciência a destruição de um ser inocente.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qua 11 Jun 2014, 23:43

A testa da raposa tocou a da Seguidora com uma leve caricia, antes a pelagem quente no animal agora se apresentava fria enquanto sua voz calma ainda soava:

- Meu fogo se apagou a algum tempo... Eu já estou morrendo mas não posso partir sem que o vinculo de meu corpo e minha antiga vida permaneça intacto...

A cauda negra se arrastou para atras da raposa voltando enrolada em uma velha e empoeirada pokebola, a parte avermelhada da esfera começara a enferrujar enquanto a parte branca a muito se tornara ferrugem viva, com um simples movimento o pokemon colocou a esfera entre os corpos do dois pedindo:

- Quebre esse vinculo... E se não for muito fique comigo nesse final!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Qui 12 Jun 2014, 16:18

Sentei no chão sujo e frio, precisava pensar e pensar muito. Cheguei a conclusão que eu estava sendo extremamente egoísta. Queria muito a companhia da raposa. Finalmente encontrei alguém que poderia entender minha história. Alguém que entenderia os motivos que me fazem agir da maneira que eu faço. Alguém para seguir comigo o meu caminho.

Eu cheguei atrasada, o momento já havia passado e o mais justo seria fazer o que ele me pedia.

Olhei bem no fundo daqueles olhos azuis. Queria guardá-los eternamente no fundo da minha mente. Me afeiçoei muito a esse pokemon e seria extremamente difícil me separar dele. Mas, não seria justo mante-lo aqui nessas condições. Respirei bem fundo, queria absorver um pouco de força através do ar que enchia meus pulmões.

Natu piou entoando um canto triste e melodioso. Ele subiu em meu ombro e se aconchegou em meu pescoço. Aquele peso morno e a maciez das penas em meu pescoço me deu o apoio que eu precisava.

- Peço que você me desculpe por tentar te manter aqui. Neste pouco tempo que estivemos juntas, eu me afeiçoei a você. Gostaria que pudéssemos compartilhar a minha jornada e sei que em você eu encontraria alguém que poderia me entender de verdade. Sei que isso seria perfeito para mim. Mas, pelo que vejo não seria perfeito para você também. Olhando bem para você, vejo que isso não é mais possível. Nosso tempo já passou. Eu queria ter chego antes, quando isso ainda era possível.

Veja bem, isso vai contra tudo o que aprendi e acredito. Peço a Arceus que me perdoe pelo que vou fazer, mas só quero que você fique em paz e que o Amor de Arceus preencha o seu coração. Só peço que você me conceda a honra de mais algum tempo em sua presença. Quero guardar esse momento para lembrar no futuro. Ficarei com você até o final. Serei a última a deixar esse local e terei então um tempo para guardar luto por você.


Peguei a pokebola que ele me entregou, ela estava enferrujada e envelhecida pelo tempo. Seria fácil destruí-la, acho que poderia fazer isso usando apenas minhas mãos. Passei um bom tempo acariciando aquele pelo macio, já um pouco frio do Ninetales. Meus olhos estavam molhados pelas lágrimas que caíam involuntariamente.

E sem outra alternativa peguei a pokebola e esmaguei-a com minhas mãos...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Dom 15 Jun 2014, 13:19

A raposa tocou a sua testa com a da seguidora e uma onda de sensações invadiu o corpo de Morgana, a mais presente era a paz e aceitação de seu destino:

- Criança, voce tem um caminho inteiro pela frente e eu rezo para que voce encontre o que procura... Que seu vazio seja preenchido e que no final voce não se perca em meio as intempéricas do destino.

Dizia a raposa ao deitar sobre o colo de Morgana tentando lhe passar o resto de seu calor, a pokebola foi um pouco mais dificil de se quebrar do que a seguidora imaginara no principio mas no final esta rachou quebrando-se em 4 pedaços que antes de tocarem no chão se transformaram em pó, assim como o corpo da raposa fria em seu colo.

Por alguns instantes as lagrimas que escorriam do rosto da seguidora tomaram a vista desta por completo fazendo com que Morgana enxugasse o rosto com a manga da bela manta que usava, ao tirar o pano da frente do rosto a seguidora já não encontrava mais nas ilusões da raposa.

Uma menina de cabelos loiros encarva Morgana segurando um belo e grande Ovo em seus braços, a menina sorriu timidamente perguntando:

- Moça você tá bem?

Antes mesmo que as duas pudessem responder uma a outra Natu piou alegre quando um brilho diretamente do Ovo surgiu segando a todos da cena, quando finalmente os olhos da Seguidora puderam voltar a enxergar uma pequena raposa avermelhada e exatamente com uma cauda negra encarava a Seguidora com um sorriso no rosto, uma voz masculina soou preocupada um pouco atrás da cena:

- Meninas ta tudo bem?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Seg 16 Jun 2014, 18:47

Lágrimas corriam pelo meu rosto sem parar. Passei um bom tempo apenas fazendo carinho nele. Peguei a pokebola e apertei com as mãos. Não foi tão simples como imaginei, mas ela cedeu a meu aperto e partiu em quatro pedaços no chão.

E num momento mágico ela se transformou em pó, juntamente com o corpo da raposa em meu colo. Senti um peso opressivo em meu peito enquanto olhava o pó espalhado pelo local. Fechei meus olhos e senti uma leve brisa passar por mim levando o que restava da raposa e da pokebola. Meu coração se encheu de paz e suavidade. Podia sentir que ele agora estava em paz e encontrado seu lugar.

Lágrimas continuavam a cair pelo meu rosto, era um misto de pesar e alivio. Enxuguei meus olhos na manga de minha manta e quando tirei o braço da frente do meus olhos, me deparei com dos olhos enormes e brilhante me fitando.

Olhei com mais atenção e vi que esse olhos pertenciam a um linda menina loira que carregava um grande belo ovo pokemon.

Ouvi a menina fazer uma pergunta mas nesse momento Natu começou a pular no meu ombro e piar alegremente, chamando nossa atenção.

O Ovo que a menina carregava começou a emitir um brilho forte e ele apresentou leves rachaduras luminosas, como se o brilho quisesse escapar do ovo.

A luminosidade cresceu e ofuscou nosso olhos por um momento. A claridade foi diminuindo e pude ver uma mancha avermelhada. Nossa visão foi melhorando e após um momento nossos entraram em foco e fiquei de boca aberta com a imagem a minha frente.


Um lindo vulpix estava no colo da menina, era recém nascido e parte da luz que estava no ovo ainda podia ser vista no seu pelo macio e reluzente. Mas, o que mais chamou minha atenção foi a única e negra cauda o ébano que se destacava das demais vermelhas como as chamas de uma fogueira. Fiquei pasma sem entender o que estava acontecendo. Estava encantada, o nascimento de um pokemon é um fato único que deixa marcas profundas em que o assiste. Sentia-me abençoada, embora não me lembrasse direito da sequencia dos fatos.

Queria pegar aquela linda criatura nos braços, aquele sorriso em seus lábios me era extremamente familiar. Estava para pedir a menina para segura-lo em meu colo quando uma voz masculina perguntou se estávamos bem.

Ainda estava um pouco confusa com tudo o que estava acontecendo e apenas fiquei aguardando o que viria a seguir.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qua 18 Jun 2014, 17:28

A pequena raposa se remexeu inquieta e feliz no colo da pequena menina quando escutou a voz masculina, um leve latido foi emitido quando esta caiu no chão correndo até o homem que se aproximava com um poderoso Blaziken ao seu lado, a ave olhou desconfiada para a pequena raposa enquanto o homem olhava rindo para para este dizendo:

- É papai! Parece que seu ovo eclodiu!

A raposa mordeu de leve a calça do homem de cabelos castanhos puxando-o para mais perto da menina, para depois avançar com toda velocidade para o colo de Morgana lambendo-a com força e vontade enquanto a mesma voz do antigo Ninetails ecoava pela mente da seguidora:

- Obrigado pelo novo recomeço ao lado da queles que amo!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Sex 27 Jun 2014, 23:25

Off: Me desculpe pela demora, semana corrida.

O som da voz masculina fez com que a raposa ficasse inquieta, ele se remexeu tanto que acabou caindo e soltou um leve latido ao atingir o chão. Mas ele não se deteve por isso, apenas correu em direção a voz.

Um homem havia entrado no local acompanhado por um poderoso e belo blaziken. O pokemon que entrou refletia em sua aparência o cuidado com que era criado. Ele tinha todas as suas necessidades satisfeitas e parecia bem feliz pela companhia do homem. Quando a raposa se aproximou o pokemon olhou-a com desconfiança, mas aguardou o seu treinador.

O homem parecia estar se divertindo e não mudou de atitude nem quando a raposa puxou ele pela barra da calça para que ele se aproximasse.

E como se a raposa lesse meu pensamento ela correu em minha direção e pulou em meu colo. Meu coração transbordou de felicidade. Todo sentimento anterior foi esquecido. Eu estava elevada e agradecia a Arceus por isso. Só ele em sua infinita bondade seria capaz de um ato tão benevolente. Ele atendeu minhas preces e havia me premiado com tudo que acontecia.

O nascimento de um pokemon sempre é um momento mágico e único, mas esse nascimento era especial.Foi uma graça concedida a um ser que merecia uma segunda chance , que merecia ser feliz.

Eu me sentia abençoada de tal maneira que fiquei sem palavras. Meus pensamentos se dirigiam a raposa em meus braços. E pensava diretamente para ele mostrando o quanto eu estava feliz por ele estar ali e como estava confiante com sua vida a partir daquele momento. Confiava em Arceus e em sua sabedoria, sabia que ele tinha preparado um destino a essas pessoas e que ele seria diferente do o que ocorrera anteriormente.

Iria aproveitar o máximo que eu pudesse dese momento. Natu com se concordando comigo começou a brincar com o pelo da raposa. Em resposta a isso Vulpix lambeu Natu e sua penas ficaram arrepiadas no sentido contrario, o que para Natu era inadmissível, mas ele estava tão feliz que nem se importou.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qua 02 Jul 2014, 14:03

Off: Tranquilo eu te entendo perfeitamente.

A cena era reconfortante ver a mesma menininha acompanhada de seu pai com a supervisão do Blaziken desconfiado juntamente com um irrequieto Vulpix de cauda preta, a raposinha não se contentava em pular de um lado pro outro, este também lambia e mordia de forma tão alegre que contagiava a todos com sua felicidade, isso até ser pego pelo homem e ser apertado contra o peito deste enquanto este puxava de leve a cauda negra observando com curiosidade:

- Ele pode se chamar Tails oque vocês duas acham?

Perguntava o homem diretamente para a menininha e para Morgana.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Qui 10 Jul 2014, 23:54

Olhando a cena, pude ver como Arceus é maravilhoso e compreensivo, ele ajeitou as coisas de uma maneira que todos ficaram satisfeitos.

A família ali presente era completa e feliz, isso fez meu coração transbordar. Eu compreendi que o lugar de vulpix era ali e ele só poderia ser feliz com eles. Isso de certa forma acalmou meu coração e a tristeza  por ele não vir comigo foi esquecida.

Mentalmente fiz uma oração a Arceus, por me conceder a graça desse pequeno milagre. Isso renovava minha fé e firmava meu propósito.

Podia sentir que Natu compartilhava meus sentimentos, pois seus olhos brilhava em um sorriso e dele emanava uma onda calorosa de amor, direcionada a mim e aos membros dessa família.

Sobre o nome que o pai sugeriu para vulpix, não era o que eu tinha em mente. Devido ao que aconteceu, me lembrou de um conto que ouvi.

Era sobre uma ave lendária que renascia das cinzas, ela era mágica e suas cores lembravam o fogo. Fênix seria um nome apropriado. Mas não cabia a mim decidir. E quando ouvi o nome sugerido, então tudo pareceu se encaixar, como em um quebra-cabeças. E a imagem de Ninetails se formou em minha mente e o nome me pareceu perfeito.

Natu dava pulinhos ao redor enquanto piava alegremente como se concordasse com o nome escolhido. Me virei para a linda garotinha e disse:

- Eu acho esse nome perfeito e você o que acha?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Ter 15 Jul 2014, 18:02

A menina de cabelos claros sorriu com a pergunta feita por Morgana, os olhos azulados da garota observaram a raposa no colo de seu pai enquanto sua vozinha infantil respondia:

- Tails é perfeito!

A pequena raposa por sua vez latiu alto se soltando do colo do homem e avançando para um caloroso abraço dado pela garota que mais do que rápido disse ao homem de forma convicta:

- Eu vou mostrar o Tails pra vovó!

Para logo depois sair correndo na direção de uma loja de conveniências do outro lado da rua, o grande Blaziken por sua vez seguiu a menina cuidando se sua segurança, já o homem estendeu a mão para que Morgana pudesse se levantar perguntando:

- Você esta bem?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Qua 16 Jul 2014, 22:48

Um sorriso iluminou o rosto da menina de tal maneira que seus olhos azuis pareciam duas safiras recém polidas. Ela olhou para vulpix no colo do pai e notei uma onda de amor e admiração que emanava dela para os dois.

Ela concordou alegremente com o nome, em resposta vulpix latiu alto e pulou para o colo da garota. Com Tails no colo ela se dirigiu a loja de conveniência do outro lado da rua. Blaziken saiu em companhia da menina, como um guarda costa. Ninguém se atreveria a mexer com a menina, a postura de Blaziken ia garantir isso.

Precisei pensar para responder ao pai. Eu estava bem? Claro que estava. Arceus me abençoara com o ensinamento que tudo isso me proporcionara. Sentia me honrada e agradecida, e acima de tudo, feliz. Olhei para o homem e disse:

- Eu estou muito bem. Nunca tinha visto o nascimento de um pokemon. Estou inspirada para retomar meu caminho. Arceus em sua infinita sabedoria e bondade me mostrou que mesmo nos dias de hoje encontramos motivos para ter esperança. Que quando pensamos que chegamos ao fim, algo inusitado pode acontecer e a vida pode renascer.

Natu ficara observando tudo sem se manifestar. Ele se aninhou em seu local favorito, em meu ombro, brincando com meu cabelo. Me despedi do homem e sai para a rua. Devia retomar meu caminho.

Precisava decidir para onde ir, iria pensar nisso mais tarde. Arceus me mandaria um sinal. Primeiro precisava passar na estação de trem retirar alguns objetos.

Havia muito em que pensar. Arceus me ensinou uma importante lição. Humildade. Só ele tem todas as respostas. Ele me mostrou também que não devemos desanimar quando tudo parece estar perdido. Sempre haverá uma saída, basta termos sabedoria e paciência para encontrá-la. Meu objetivo se torna mais claro a cada dia. No fim com sua benção irei triunfar.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Qui 24 Jul 2014, 20:35

O homem se despediu de forma gentil da Seguidora indo cuidar de sua vida, já Morgana por sua vez nao demorou para chegar a estação de trem e retirar os itens que lhe pertenciam.

Infelizmente a falta de recursos afetaria a escolha do próximo passo da jornada da Seguidora, mas uma coisa era certa a brisa fria ventava em direção do deserto escaldante de Kalled, da mesma forma que soprava para as lindas e calmas praias de Jorvet, Natu piava baixo esperando pelos próximos passos de sua Mestra.

Off: Desculpa a dempora. Mochila Atualizada.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Athena em Qui 24 Jul 2014, 22:48

Inicialmente andei meio sem rumo pelas ruas, pensando em que direção ir. Meus itens estavam em minha mochila, um deles na realidade não me pertencia. Era destinado a Natu.

Abri minha mochila, peguei-o em minas mão e brinquei com ele para ver a reação de Natu.

Natu, quando viu o que eu tinha em minhas mãos piou alto de felicidade. levantou voo e pousou próximo a mim ansioso. Não precisei nem perguntar se ele realmente queria usar a TM. Aparentemente ele apreciava o conhecimento tanto quanto  eu.

Posicionei o aparelho na direção de Natu, e iniciei o procedimento. Por um momento seu olhos se fecharam e ele pareceu estar meditando. Logo seu olhos se abriram e ele ajeitou suas penas mostrando que estava bem e feliz.

Ele parecia ansioso para aplicar o que aprendeu e se deteve diante de uma grande pedra. Olhou fixamente para ela, mas apesar dela se chacoalhar ela não saiu do solo. Natu olhou para mim um pouco frustrado e eu lhe disse:

-Não precisa ficar preocupado, vamos treinar juntos e logo você vai dominar esse conhecimento.

Guardei o aparelho em minha mochila, fui até Natu e o peguei em meu colo, fazendo um carinho em sua cabeça.

Agora só restava definir meu caminho, havia duas opções o deserto e seu calor infernal, ou a calma e tranquila praia em Jorvet.

Fechei os olhos por um momento e quase senti o vento marinho tocar meu rosto. Dei um largo sorriso e fiquei imaginando as ondas do mar se chocando nas areias da praia. Uma ótima escolha.

Coloquei minha mochila nas costas ajeitei Natu em meu ombro e me encaminhei da direção de Jorvet.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Dria Galfin em Sex 25 Jul 2014, 18:18

Rota encerrada, tópico movido.


Natu
HP: 100%
Status: Normal

-Mochila atualizada.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um batismo com as águas da chuva.

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum